Resenha #39: Extraordinário, R. J. Palacio

Olá pessoal, tudo bem?

Hoje trago para vocês mais uma resenha de um livro muito bonito, vamos conferir?

303917

August (Auggie) Pullman nasceu com uma síndrome genética cuja sequela é uma severa deformidade facial, que lhe impôs diversas cirurgias e complicações médicas. Por isso, ele nunca havia frequentado uma escola… até agora. Todo mundo sabe que é difícil ser um aluno novo, mais ainda quando se tem um rosto tão diferente. Prestes a começar o quinto ano em um colégio particular de Nova York, Auggie tem uma missão nada fácil pela frente: convencer os colegas de que, apesar da aparência incomum, ele é um menino igual a todos os outros.

R. J. Palacio criou uma história edificante, repleta de amor e esperança, em que um grupo de pessoas luta para espalhar compaixão, aceitação e gentileza. Narrado da perspectiva de Auggie e também de seus familiares e amigos, com momentos comoventes e outros descontraídos, Extraordinário consegue captar o impacto que um menino pode causar na vida e no comportamento de todos, família, amigos e comunidade – um impacto forte, comovente e, sem dúvida nenhuma, extraordinariamente positivo, que vai tocar todo o tipo de leitor.

Várias pessoas já haviam me indicado esse livro anteriormente e sempre me falaram que era muito bonito, então nesse mês de novembro resolvi realizar a leitura e posso dizer que fiquei extremamente emocionada.

August tem o rosto deformado por diversas doenças (que o autor fala no livro mas confesso que não entendi bem, é alguma coisa sobre um gene da família que se misturou com uma outra doença muito rara e deu no deu). Ele é um menino completamente normal, mas que tem algumas dificuldades e que passou por várias cirurgias no começo de sua vida, então podemos dizer que foi tudo bem difícil. Ele tem uma boa família, uma boa cachorrinha de estimação e um melhor amigo. A vida para ele é boa. Até que sua mãe resolve o colocar na escola.

No começo, ele é completamente contra, mas acaba amolecendo. Você deve se imaginar que ele deve ter alguma dificuldade ou coisa assim, só que não, o garoto é extremamente inteligente. O seu receio é como os outros vão olhar para ele porque logo no começo do livro ele dá uma descrição bem óbvia do que acontece: todos olham, levam um susto e viram o rosto. E todos nós sabemos que é bem isso o que acontece quando vemos alguém diferente na rua, não é? Isso foi a primeira coisa que me conquistou no livro, essa autoconsciência que ele tinha sobre os outros em relação à sua condição. Mas ele não liga, ele diz que depois de tantas vezes já até se acostumou.

Nesse livro, acompanhamos essa saga de Auggie em sua primeira escola, onde ele faz alguns amigos e também algumas inamizades, por parte dos outros meninos. É tudo muito triste no começo, ele pensa em desistir várias vezes e voltar a estudar em casa, mas a sua irmã, Via, o convence a continuar em frente. Percebemos também o drama dela, que simplesmente ama o irmão, mas às vezes tem vergonha de mostrar para os outros porque ela sempre vai ficar conhecida por ser a irmã do menino estranho. É triste, mas entendemos a sua situação completamente, afinal, sua vida mudou totalmente quando o irmão nasceu e ela não tem mais a mesma atenção dos pais, não que ela fique muito brava com isso.

O livro em sua maioria é feito de capítulos do ponto de vista de Auggie, mas também temos algum do ponto de vista de sua irmã e de dois de seus amigos, o que é muito legal porque vemos que é realmente uma amizade verdadeira e muito amorosa. Foi muito bom poder ler essa obra e ver que apesar de tudo, Auggie conquistava várias pessoas por onde passava, deixando claro que a sua aparência não era tão importante assim.

Com muito amor e bom humor, vamos acompanhando a vida de uma criança que não se prende à sua condição e que tenta viver a sua vida da melhor maneira possível. É realmente um livro extraordinário.

Continuar lendo